9 invenções bizarras que nunca deram certo




Atualmente vivemos a época dos avanços tecnológicos. A nossa vida é em muito facilitada, graças ao acesso que temos a tecnologia. Mas e quando esses avanços tecnológicos são um tanto quanto bizarros? Separamos 9 invenções dessas para você conhecer.
Confira agora 9 invenções bizarras que nunca deram certo:


Caneta elétrica
Thomas Edison, sem dúvida foi um homem que contribuiu e muito para a nossa sociedade. Mas até mesmo ele, o criador da lâmpada, não conseguiu fugir dos desastres inventivos. Pois bem, Thomas foi o responsável por desenvolver uma espécie de caneta elétrica, o objetivo para a época, 1875, era conseguir criar cópias simultâneas de documentos conforme a pessoa que a usasse escrevesse.
Apesar da genialidade da ideia, o projeto nunca funcionou de fato, visto que era praticamente impossível concorrer com as máquinas de datilografia. Por outro lado, o projeto não foi de total inútil, uma vez que colaborou para o desenvolvimento das primeiras agulhas elétricas para tatuagens em 1891.


Chapéu com rádio
Tudo bem que todo mundo usa fone de ouvido hoje em dia. Porém em um passado não tão distante, as pessoas literalmente precisavam desenvolver métodos de se escutar música, sem ser necessariamente em todo um ambiente. E foi aí, que Victor T.Hoeflich inventou, em 1949, um chapéu que possuía uma espécie de rádio embutido.
O produto foi lançado em uma coletiva de empresa, em 7 cores diferentes!
Os jovens eram o público alvo desse até então, novo negócio. Porém apenas 1 ano depois do lançamento a ideia perdeu toda a sua força, visto que o chapéu só conseguia captar frequências AM, e também perdia facilmente o seu sinal, todas as vezes que a pessoa que o usava, mexia a sua cabeça. O que levou muitos a concluir, que a invenção de fato nunca funcionou.


O Isolador
O produto que originalmente se chamava “The Isolator”, foi desenvolvido por Hugo Gernsback. O produto nada mais era do que um capacete que vinha acoplado a um tanque de oxigênio.
O objetivo literalmente era isolar quem o usava do ambiente externo, podendo dessa forma, se concentrar em tarefas árduas e importantes. Por outro lado, o criador jamais pensou na questão do conforto, e da claustrofobia eminente que esse aparelho era capaz de causar em quem o usava.


Veículo de uma roda só
A partir do ano de 1860 uma série de “veículos” de apenas uma roda, passaram a ser desenvolvidos na Europa. O mais famoso deles por sua vez, foi “a grande roda”, inventada pelo italiano Messrs Cislaghi. Porém a falta de segurança que esses veículos apresentavam, combinada com a dificuldade da condução, levou todos esses projetos ao fracasso.


Metralhadora com cano curvado para disparar em torno de cantos
Metralhadora sub-M3 com um cano curva para disparar em torno dos cantos. É a arma perfeita para a "atirar primeiro, olha onde você está atirando mais tarde" e torcer pra não ter matado gente inocente. Por motivo óbvios não deu certo a invenção.


Videogame Virtual Boy
O projeto que foi considerado “ousado demais para a sua época”, oferecia um vídeo game com realidade virtual. Projetado pela Nintendo, o produto vendeu apenas 700 mil unidades, enquanto o clássico Super Nintendo por exemplo, vendeu uma média de 61,9 milhões de exemplares.
Os principais motivos que contribuíram para o fracasso do “Virtual Boy”, foi o fato de na época, 1995, a realidade em 3D estar sendo pela primeira vez explorada, somado aos fatores de risco do produto, que era o fato de exibir apenas as cores vermelho e preto, que geravam dores de cabeça e também levantava dúvidas, quanto aos riscos a visão que o vídeo game poderia causar.


Mala antirroubo
Criada pelo Dr.John H.T Rinfret, essa invenção nunca efetivamente funcionou. Apesar da proposta ser bastante interessante, uma mala que não pode ser roubada, o seu mecanismo era completamente falho.
Basicamente o que ela fazia, era permitir que o usuário ativasse um botão, para que todas as suas coisas caíssem e se espalhassem pelo chão, acreditando que desse modo, o ladrão desistiria do assalto.


Pente para carecas
Só pelo nome da invenção, você provavelmente já pode deduzir porque foi que esse produto nunca deu certo. Mas o objetivo da invenção era “pentear e lustrar” ao mesmo tempo.


Capuz para chuveiro
Inventado no início do século 20, esse produto surgiu para sanar o problema de quem queria tomar um banho, mas não queria molhar seu cabelo ou maquiagem. Porém, a invenção nunca se popularizou e por isso, nunca deu certo.

Tecnologia do Blogger.